A sua empresa está preparada para a transformação digital? Não é novidade que nos últimos anos as tecnologias da informação (TI) e a popularização da internet se intensificou e modificou a maneira como as pessoas se comportam, assim como a rotina das empresas. Para o mercado, os processos produtivos jamais serão os mesmos e até novos segmentos vieram a surgir com a globalização e os avanços tecnológicos.

Mas este movimento não acabou. O que os gestores e empresários devem focar agora e na chamada transformação digital, uma realidade sem volta para pessoas e empresas. Estamos em um momento de transição pautado por tecnologias como Inteligência Artificial, Machine Learning, Internet das Coisas, a migração de dados em Meganuvens, soluções inovadoras em Segurança da Informação e tudo isso já faz com que os negócios se diferenciem no mercado.

O melhor de tudo é que ela pode melhorar a saúde financeira da sua empresa.

Transformação digital: o que é?

A transformação digital não é um termo novo, como ficou evidente, pois desde 2007, quando ocorreu a primeira onda da transformação digital, houve uma preocupação por parte das empresas de adquirir uma estrutura tecnológica que ampliasse as possibilidades de negócio.

Já a segunda onda da transformação digital é relativa à maturação dos processos digitais, ou seja, é um novo fôlego, muito necessário, em que eleva-se o avanço tecnológico comunicativo, a tecnologia aplicada em softwares, às práticas ágeis dos processos do negócio. O modo de produzir depende intrinsecamente das tecnologias digitais nesta nova onda. Se antes os empresários adquiriam conhecimentos no mercado, agora é preciso construí-los.

transformação digital

Até mesmo a Contabilidade é um segmento que tem se renovado de forma rápida, assim como qualquer segmento. Plataformas que integram o cliente, os especialistas (contadores) e a estrutura governamental são cada vez mais comuns, agilizando o atendimento e até prevendo novos serviços, para que as empresas tenham o melhor atendimento contábil, com o menor risco e até com mais lucratividade.

DESTAQUE: Já falamos sobre os avanços da transformação digital na área da Contabilidade nesta matéria. Confira na íntegra!

Transformação digital e novo mercado

E mais que apenas adquirir novas soluções tecnológicas, as empresas devem buscar metodologias inovadores da atendimento, de agilidade de processos, pautados nas conhecidas economia disruptiva e na economia da experiência, que são tendências para os próximos anos. É preciso ter condições de criar seus próprios diferenciais de mercado e desenvolver conhecimentos no cerne da organização.

O celular é um exemplo. Popularizado na primeira onda da transformação digital, permitiu a comunicação direta por voz ou texto em qualquer lugar em que a pessoa estivesse, com ainda outras ferramentas úteis. Já Steve Jobs não criou necessariamente um novo produto quando lançou pela Apple o IPod ou o IPhone, mas transformou drasticamente o comportamento das pessoas ao inserir em um só produto a experiência de ouvir música, de se comunicar por áudio, vídeo ou texto, compartilhar ideias pelas redes sociais, de tirar fotos de alta performance com câmeras acopladas, entre outras facilidades. Todos estes recursos já existiam no mercado. Mas com foco na experiência do usuário, eles foram compilados, tornando-se um produto inovador.

Os especialistas garantem que nos próximos anos o mercado deve se intensificar e as empresas que continuarão ativas são aquelas que agregam tecnologias e valores a um só produto, que utilizam a tecnologia para criar inovações e seus próprios diferenciais e que proporcionem novas experiências às pessoas. E para isso será necessária a transformação digital, que coloca a empresa em perspectiva.

Economia da experiência e transformação digital

Pode-se dizer ainda que a forma como as empresas se relacionam com seus clientes e com o mercado terá uma surpreendente evolução nos próximos anos com a transformação digital. O cliente quer uma experiência quando adquire um produto ou serviço, e não apenas o produto em si.

O conceito de usabilidade está em alta. Por exemplo, ao adquirir uma furadeira, o interesse do cliente não é o aparelho em si, mas a possibilidade de ter um furo na parede. E quando ele adquire uma camisa, ele quer qualidade e conforto, mas quer também valor e adquirir algo a mais, algo que o faça compartilhar de uma ideia.

Cabe a reflexão aos gestores e empreendedores sobre que tipo de produto e serviços estão desenvolvendo, se há valor agregado, se os processos são ágeis e pautados pelas tecnologias (cada vez mais acessíveis e abundantes), se os seus processos são de alta performance e se os diferenciais são desenvolvidos no interior da empresa.

Veja também: Dicas para fazer o planejamento financeiro da sua empresa

Gostou das dicas sobre transformação digital? Deixe um comentário e compartilhe esta matéria nas redes sociais!

 

Share This