Finanças e organização – Lições de Pai Rico, Pai Pobre

finanças

Selecionamos algumas lições do Pai Rico, Pai Pobre para você organizar suas finanças

O livro Pai Rico, Pai Pobre, do autor Robert Kiyosaki e coautora Sharon L. Lechter é um best seller mundial, e é bem possível que você já o tenha visto em vitrines de livrarias ou no Top 10 dos mais vendidos. Mas mais que uma obra aclamada, o livro traz lições poderosas de finanças e organização que toda pessoa deveria ler pelo menos uma vez na vida.

Apesar da simplicidade da linguagem, o livro é rico de informações e também muito acessível, pois agrada a todos os leitores. E, afinal, todo mundo tem uma vida financeira para colocar em ordem. É um compêndio de lições sobre finanças aprendidas pelo autor, repassadas agora ao seu público.

Assim, Pai Rico, Pai Pobre, é também atemporal e flexível. Selecionamos algumas lições retiradas desta obra para que você reflita e se sinta instigado, tanto a ler o livro na íntegra quanto adotar estas práticas em sua vida financeira.

Corrida dos Ratos X Finanças

Você tem o hábito de questionar suas ações? Nesta primeira lição, o autor chama de “corrida dos ratos” isso que nos leva a gastar mais e mais com coisas que nem sequer precisamos – e gastamos sem pensar direito.

Por que será que a situação não melhora quando um indivíduo ganha um aumento de salário ou uma bonificação ou até muda de emprego para algo ainda mais rentável? Porque vivemos em um mundo cheio de induções que nos levam a gastar ainda mais.

Viva conforme a sua realidade financeira, sem gastar com o que não precisa, quebrando assim o ciclo. Refletir sobre as suas ações financeira a primeira lição rumo à abundância financeira.

Não Pare de Estudar

Os estudos de quem quer prosperar não acabam na faculdade ou pós-graduação. O conhecimento é o que leva a crescer. E se temos que crescer sempre, temos que estudar continuamente. E diversifique os seus conhecimentos.

Ativos X Passivos

Para o autor, ativo é tudo que coloca dinheiro no seu bolso, como seu salário. Passivo é tudo que tira dinheiro de você, como financiamentos e contas, por exemplo. É muito comum as pessoas confundirem os dois conceitos.

O pobre gasta seu dinheiro em passivos e geralmente confia em um único ativo no final do mês, o salário. O rico diversifica seus ativos, aumentando suas fontes de renda e somente depois gasta com passivos. Desta forma, a dica é apostar e diversificar os seus ativos.

“Ser Pobre” X “Estar Quebrado”

Há uma grande diferença entre ser pobre (e a pobreza está presente porque você é pobre) e dizer que está apenas quebrado por tempo determinado. Se você assume ser pobre, você determina que é pobre, e isso parece aquelas coisas que não mudam, que não há o que fazer.

Mas se você acredita que está quebrado (e não “é” quebrado), é o mesmo que acreditar que esta é uma situação momentânea e reversível. E o mais fantástico é que o poder de decisão está na forma como você vê o mundo.

Não Trabalhe pelo Dinheiro

Trabalhar por dinheiro, para o autor, é um erro. É importante receber o dinheiro pelo seu trabalho, mas o seu verdadeiro trabalho é fazer o dinheiro trabalhar para você. E não o contrário.

Empreendedor X Investidor

Na obra, frequentemente o autor aconselha muito a estudar sobre empreendedorismo. Ressalta ainda que há quatro perfis de pessoas: os empregados e os autônomos de um lado e os empreendedores e investidores de outro. A maioria é empregados e autônomos e poucos se arriscam a entrar para o lado dos empreendedores e investidores. E com isso deixam de ser plenamente prósperos.

Veja também: Como construir uma equipe de alta performance

O que achou das dicas sobre finanças e organização na perspectiva de Pai Rico, Pai Pobre? Deixe um comentário a seguir e compartilhe estas informações em suas redes sociais!

Artigos Recomendados