Terceiro setor – Como a contabilidade pode otimizar novos projetos e negócios

O Terceiro Setor está cada vez mais em destaque no mercado e vem alcançando grandes resultados, mesmo em um contexto de crise e instabilidade política. As chamadas entidades privadas sem fins lucrativos, que compõem este segmento possuem grande relevância social e há tempos vêm empregando gestão de alta performance para desenvolver produtos, serviços e projetos de interesse público. E a contabilidade pode ser um recurso importante para trazer à luz novas oportunidades. Veja a seguir algumas destas possíveis contribuições!

Terceiro Setor

O Terceiro Setor – O que é?

Para se ter uma ideia, a sociedade civil brasileira está organizada juridicamente em três setores:

  • Primeiro Setor – Refere-se à Administração Pública, e está ligado a questões públicas de interesse coletivo e social;
  • Segundo Setor – São as empresas privadas, ligadas a questões de interesse individual e com finalidade lucrativa;
  • Terceiro Setor – Constituído por entidades privadas, que se preocupam com as questões de interesse público, sem fins lucrativos.

O Terceiro Setor vem se destacando em desenvolvimento, resultados e vem abrindo novas fronteiras. As instituições sem fins lucrativos produzem e comercializam bens e serviços, com foco em interesses sociais, mas não são governamentais e nem visam lucro. Atingem uma importante demanda, muitas vezes negligenciada pelos outros setores: o bem-estar social. São entidades que atuam em muitos segmentos através de atividades filantrópicas, como os produtos e serviços com foco na melhoria na qualidade de vida, no atendimento médico, nos projetos culturais e educativos, na inclusão social ou digital, etc.

Segundo a NBC – Normas Brasileiras de Contabilidade, “as entidades sem fins lucrativos têm como objetivo principal garantir os direitos sociais básicos e combater a exclusão social, buscando uma sociedade mais justa e equilibrada”. São fundações, ONG’s, instituições de assistência social, sociedades beneficentes, igrejas, clubes, partidos políticos, conselhos de classe, etc., que se formam para alcançar interesses comuns. Este segmento é mantido com as iniciativas privadas, doações e até mesmo repasses de verbas públicas.

Desenvolver projetos inovadores e que atendem demandas relevantes da sociedade ajuda a impulsionar a economia, gerando empregos, desenvolvendo novos produtos e serviços e dialogando com outros setores. O Terceiro Setor tem também uma forma específica de gestão, por mais que utilize mecanismos que quaisquer outros tipos de empresas.

A gestão no Terceiro Setor deve ter foco tanto nos bons resultados (mesmo não visando lucros) e na transparência, uma vez que recebe apoio de investidores, filantropos, entre outros interessados, e faz parcerias com diferentes tipos de empresas. Estar quites com o governo é essencial para manter a sua credibilidade e alcançar novos investimentos.

Contabilidade e Terceiro Setor

O Terceiro Setor não tem fins lucrativos, mas as entidades precisam ser assertivas e de alta performance para se manterem sustentáveis, como em qualquer negócio. Possuem obrigações fiscais e tributárias específicas. E assim como qualquer empresa, possui a necessidade de ter um apoio contábil que a ajude a garantir a transparência de suas contas, a cumprir com suas obrigações e a direcionar para oportunidades de mercado que façam sentido para a organização.  

A Contabilidade pode contribuir amplamente com empresas do Terceiro Setor. Veja alguns benefícios possíveis:

  • Otimizar o enquadramento fiscal e jurídico.
  • Fazer o gerenciamento de demonstrativos contábeis em diferentes fases do ano e da própria entidade do Terceiro Setor, contribuindo para a sua transparência.
  • Como as entidades do Terceiro Setor podem desenvolver produtos e serviços, mas o lucro e o superávit devem ser revertidos para a manutenção da instituição, o escritório contábil pode auxiliar na demonstração do trabalho, apresentando a destinação dos recursos arrecadados.
  • Contribuir para a imagem positiva da empresa.
  • Auxiliar no entendimento dos benefícios e vantagens garantidas às entidades deste segmento, com foco nas oportunidades de crescimento e sustentabilidade da empresa.
  • Auxiliar nas demandas legais e trabalhistas referentes aos profissionais contratados e atuantes. Por exemplo, estas instituições estão sujeitas a apenas 1% de recolhimento do PIS sobre a folha de salários, são isentas de recolhimento da COFINS e a Lei 9.532/1997 garantiu a imunidade de IRPJ para as entidades sociais e educativas.
  • Garantir que estas entidades sigam os princípios da Lei 6.404/1976, referente aos Terceiro Setor.

Clareza e precisão na demonstração das atividades operacionais das entidades do Terceiro Setor é o objetivo central da Contabilidade aplicada ao segmento. Organização e transparência das informações trazem junto aos voluntários, doadores, parceiros e o governo a credibilidade, que é a essência dessas organizações.

VEJA TAMBÉM:Bloco K do SPED Fiscal – Prazo em janeiro de 2019 – Como fazer?

Gostou do artigo sobre as contribuições da Contabilidade para o Terceiro Setor? Deixe um comentário a seguir e compartilhe estas novidades em suas redes sociais!

 

Artigos Recomendados