VEJA O QUE FAZER SE CAIU NA MALHA FINA DO LEÃO

A Receita Federal informou na última quinta-feira (8) que 771.801 declarações foram retidas na malha fina do Imposto de Renda 2016 devido a inconsistências das informações dadas pelos contribuintes nas declarações.

Para saber se está na malha fina, o contribuinte deve acessar o último lote de restituições deste ano. Se não estiver nesse lote, e também não estava nos anteriores, a declaração está em malha. As consultas podem ser feitas por meio dessa página na internet:
Clique aqui para ir para a página de consulta

Se realmente estiver na malha fina do leão e quiser regularizar sua situação junto à Receita, o contribuinte pode acessar o chamado e-CAC (Centro de Atendimento Virtual) do órgão.

Na página, o contribuinte pode buscar informações, por meio do “Extrato do Processamento da DIRPF”, acessível mediante uso da certificação digital ou do código de acesso, e procurar a seção “pendências” para saber o que motivou a inclusão de sua declaração na malha fina.

Se o contribuinte entender que não há erro, e que a Receita Federal reteve sua declaração na malha fina de forma incorreta, ele poderá aguardar a intimação do Fisco ou agendar um atendimento nos centros de atendimento físicos do órgão – onde poderá apresentar a chamada “documentação comprobatória” para provar que está correto em sua demanda.

O agendamento para declarações do exercício 2016, porém, começa somente a partir do primeiro dia útil de janeiro de 2017.

Compartilhe:

CERTIFICADO DIGITAL SERÁ OBRIGATÓRIO PARA SIMPLES NACIONAL COM MAIS DE TRÊS FUNCIONÁRIOS, A PARTIR DE JANEIRO

A agenda do governo que prevê o uso da assinatura digital pelas empresas terá nova atualização na virada do ano: as empresas optantes pelo Simples Nacional com mais de três funcionários passam a ter a obrigatoriedade de uso da certificação digital. Em junho de 2016, a regra passou a valer para as empresas com mais de cinco funcionários.

Desde dezembro de 2015, o governo vem ampliando a exigência da adoção da identidade digital para as PJs (Pessoas Jurídicas). Naquele ano, incluiu as empresas com mais de 10 funcionários; em janeiro de 2016, estendeu a necessidade para a rotina operacional das PJs com mais de oito empregados e no meio do ano, para as com mais de cinco funcionários.

Para as empresas do Simples Nacional com mais de três funcionários, a certificação digital deverá ser exigida para entrega da Guia de Recolhimento do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (GFIP) e declarações do Sistema de Escrituração Digital das Obrigações Fiscais, Previdenciárias e Trabalhistas (eSocial).

Para os profissionais contábeis, a exigência não altera a rotina dos escritórios, já alertas ao cronograma de obrigações fiscais das empresas. O ponto de atenção é a validade do certificado digital, que precisa estar ativo para envio das informações.

Compartilhe:

Novas Regras para o SIMPLES NACIONAL

O Simples Nacional foi criado para que as microempresas e empresas de pequeno porte tenham um regime jurídico simplificado e favorecido, com a unificação de arrecadação, cobrança e fiscalização de tributos.

Continue reading